DESTAQUES ATUAIS


14/07/2022 - Discos de vinil ganham força no gosto dos consumidores de música


A indústria da música viu oportunidades em ampliar o mercado de discos de vinil com o surgimento e crescimento do rock, a partir de 1955. Mas para se ouvir um disco de vinil é necessário uma vitrola ou um gramofone. E esses são grandes demais e, provavelmente, não sairão da sua casa. No final da década de setenta, a fita cassete e o quase extinto walkman proporcionaram praticidade à música: mais tempo para a reprodução de músicas e a possibilidade de escutar seus cantores e bandas preferidos longe de casa. Logo depois veio o CD, que ainda sobrevive. Mas, com a chegada da internet, vieram o MP3 e vários tipos de aparelho foram introduzidos, como os iPods. Com o tempo, tablets e celulares passaram a comportar arquivos de música em MP3 e formatos semelhantes. Com muita memória armazenada para se ouvir músicas pelos arquivos de MP3 e afins, chegaram os serviços de streaming, como Spotify e Deezer. Eles diminuem o espaço armazenado e ampliam as opções de música que se pode ouvir em qualquer lugar. E nessa história toda, o que podemos observar? Sobretudo, como as novas tecnologias são importantes. O processo de inovação propicia a introdução de novas formas de entregar o produto ao consumidor – seja de uma maneira mais barata, reduzindo custos de produção; seja aumentando a qualidade do produto, por exemplo, propiciando que música seja escutada mais facilmente fora de casa.

Discos de vinil foram perdendo espaço ao longo das décadas, mas ainda estão por aí, ganhando novos colecionadores. Recentemente ganharam mais força, como dissemos no início desse texto. Sinal de que os esses dois produtos – escutar música com vinil e escutar música em tecnologias modernas – não são exatamente "substitutos perfeitos". A volta do vinil, assim, parece estar ligada às preferências dos consumidores. A ideia do retrô, do nostálgico, a felicidade ao tocar e ver uma capa de álbum, mudar o disco de um lado para o outro, ter percepções musicais diferentes, dedicar o tempo para ouvir música e escutar com mais atenção... São coisas diferentes que podem ser proporcionadas por um disco de vinil, uma vitrola e suas caixas de som. E como sempre, as empresas de mídia estão atentas à demanda de seus consumidores. Se voltaram a produzir, é por haver espaço no mercado audiovisual.

Fonte/foto: https://porque.com.br/por-que-os-discos-de-vinil-estao-de-volta


A RÁDIO ONDA 16 CONECTA VOCÊ AO MUNDO. É A RÁDIO DOS SUCESSOS INTERNACIONAIS.